Imprensa

Comunicados

Maria da Graça Carvalho representa o Partido Popular Europeu na Conferência do Clima em Cancún

2010-09-08 - Informação à Imprensa

A deputada europeia reúne amanhã com a Comissária para o clima Connie Hedegaard para debater a COP16

A COP16 pretende alcançar um acordo internacional após 2012 no domínio das alterações climáticas

Estrasburgo, 08 de Setembro de 2010.- Maria da Graça Carvalho foi nomeada membro da delegação que o Parlamento Europeu enviará à 16ª reunião da Conferência do Clima - COP 16, que se realizará em Cancún, México, entre 29 de Novembro e 10 de Dezembro 2010, representando o Partido Popular Europeu e a Comissão de Indústria, Investigação e Energia.

Neste sentido, a deputada europeia reúne amanhã com a Comissária para o clima Connie Hedegaard para discutir a posição da UE em Cancún "para que a posição do Parlamento Europeu tenha o maior impacto, firmeza e eficácia" durante a Conferência.

Para Maria da Graça Carvalho os objectivos principais do Parlamento Europeu devem ser "re-asssumir o papel de liderança dotando as negociações Internacionais de equidade bem como apoiando os países em desenvolvimento."

A resolução de Cancún que definirá a posição oficial do Parlamento Europeu, será votada na sessão Plenária de Novembro do Parlamento Europeu.

Maria da Graça Carvalho representou o Parlamento Europeu na 15ª Conferência do Clima de Copenhaga, que decorreu entre 7 e 18 Dezembro do ano passado. A COP15 foi o encontro mais importante da década passada para os esforços de protecção do clima global com mais de 45 mil pessoas inscritas.

A deputada Europeia é co-autora da resolução conjunta sobre os resultados da Conferência de Copenhaga sobre as Alterações Climáticas (COP15) que foi votada em Estrasburgo a 10 de Fevereiro de 2010 por ampla maioria e que visava definir o caminho que a UE deve seguir no combate às alterações climáticas na próxima COP16, tendo em conta que as negociações que deviam ter sido concluídas em Copenhaga em Dezembro de 2009, se reduziram a um acordo "decepcionante" sem prever qualquer acordo juridicamente vinculativo nem objectivos a longo prazo.