Imprensa

Imprensa

Irão: UE deve estabelecer "sanções mais duras" por atentados a direitos das mulheres (Angola Press)

2010-09-08

Irão
UE deve estabelecer "sanções mais duras" por atentados a direitos das mulheres

Lisboa - A eurodeputada social democrata Maria da Graça Carvalho considerou hoje que o Parlamento Europeu (PE) deve estabelecer "sanções mais duras" contra o Irão enquanto este país continuar a desrespeitar os direitos humanos e das mulheres. 

Em declarações à Lusa, a eurodeputada eleita pelo PSD e que integra a bancada do Partido Popular Europeu considerou que a União Europeia (UE) e o PE podem "ir longe nessas sanções". 

"Podemos ir longe nessas sanções: congelar contas, impedir que responsáveis políticos visitem países europeus. Tudo isso pode ser feito e nós devemos usar todas as armas que temos ao nosso alcance para que a situação das mulheres no Irão se modifique", defendeu Maria da Graça Carvalho. 

A eurodeputada falava depois de ter participado numa vigília na qual cerca de cem eurodeputados, sobretudo mulheres, se reuniram com velas acesas em frente ao PE, em Bruxelas, para exigir "a libertação da iraniana Sakineh [Mohammadi Ashtiani], que está injustamente presa e que poderá ser maltratada".

A sentença de lapidação contra Ashtiani, condenada por alegados adultério e assassínio do marido, foi suspensa em julho após protestos internacionais e está a ser revista pelo Supremo Tribunal do Irão. 

Questionada sobre se a UE já está a pensar em definir sanções contra o Irão por não respeitar os direitos humanos e das mulheres, Maria da Graça Carvalho afirmou que, no debate de urgência que se realizou na segunda feira, no PE, "várias vozes se levantaram a pedir que existissem sanções mais duras em relação ao Irão, enquanto o Irão tratar assim parte dos seus cidadãos, nomeadamente as mulheres". 

Apesar de o Irão entender que o caso de Sakineh Mohammadi Ashtiani não diz respeito a direitos humanos, a eurodeputada acredita que Teerão venha a reconsiderar a sua posição. 

"Eu acredito, porque não é só o PE [a pressionar], são todas as instituições internacionais. É muito importante chamar a atenção [para o facto de] que, no século XXI, as mulheres serem tratadas como são no Irão. Esta causa das mulheres iranianas é muito importante. Tem de haver esperança e a situação tem de mudar", afirmou. 

Para Maria da Graça Carvalho, "não há nada no mundo que justifique o tratamento que dão às mulheres no Irão". 

Na quarta feira, o PE vai votar uma resolução e, de acordo com a eurodeputada, "fala-se de uma visita de um grupo de parlamentares europeus ao Irão". 

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, condenou hoje a sentença de lapidação contra Sakineh Mohammadi Ashtiani. 

No seu primeiro discurso do Estado da União perante o Parlamento Europeu, Durão Barroso disse estar "chocado" com a notícia da pena, que classificou de "bárbara".